Conforme o Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI da Faculdade de Estudos Superiores da Maranhão – FESCEM, o Programa Permanente de Avaliação representa um componente do planejamento estratégico direcionador de mudanças, além de uma forma de prestação de contas à sociedade. É, portanto, um processo institucional de reflexão e melhoria contínua.

A Avaliação no seu todo, como elemento organizador, quando legitimada pela Instituição, traz por dentro do processo, o fenômeno do repensar-se, fruto da reflexão e da análise crítica de suas potencialidades e fragilidades, frente às demandas da sociedade com a qual a comunidade acadêmica precisa estar sempre comprometida.

O êxito de uma Instituição, principalmente daquela inserida no âmbito da educação, está diretamente associado à sua capacidade de auto percepção de estar constantemente ouvindo as “novas vozes” internas e externas, envolvendo-as em na sua organização e na dinâmica de seus procedimentos.

Ao instituir o programa de avaliação contínua, a FESCEMP descortina o alcance de seus propósitos e as implicações que estes evidenciam com a sociedade, na qual se insere e à qual deve apresentar resultados positivos. Neste contexto, o Programa de Avaliação apresenta-se como instrumento delineador da política de Avaliação Institucional da IES, objetivando caminhar em direção à melhoria da qualidade de seus serviços, atender aos desafios inerentes ao SINAES/MEC, e proporcionar o cumprimento dos princípios básicos que devem reger os seguintes processos avaliativos:

  1. O da credibilidade, fundado na competência técnica e na fidedignidade dos dados e evidências usadas;
  2. O da legitimidade, decorrente de sua relevância social e instrumental para a qualidade da formação oferecida;
  3. O da transparência dos procedimentos, critérios e resultados, e;
  4. O da participação, a começar pelo caráter voluntário e aberto que as avaliações devem conter. 

No marco desses princípios básicos, a avaliação interna da FESCEMP, concebe-se como analise crítica socialmente contextualizada das atividades realizadas. Assim ficam estabelecidos os seguintes princípios para o seu programa de avaliação institucional:

  • Possuir um caráter processual, democrático e participativo, constituindo-se em uma importante ação para a gestão e o planejamento;
  • Referendar-se em indicadores quantitativos e qualitativos que compreendam ações de auto-avaliação e de avaliação externa;
  • Constituir referencia central do processo de avaliação institucional, a construção e implementação dos Projetos Político-pedagógicos dos cursos;


16.1.1 Objetivos do Programa:

16.1.1.1Objetivo Geral do Programa

Implementar o sistema de Auto-Avaliação Institucional na FESCEMP, de acordo com a proposta do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior - SINAES, com base na Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, seguindo as orientações da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior e adaptando-as às realidades internas e regionais.

16.1.1.2 Objetivos Específicos do Programa:

1) Identificar parâmetros adequados de avaliação no âmbito institucional e educacional, que conduzam à melhoria da qualidade no desenvolvimento das atividades da FESCEMP.

2) Implantar processos contínuos de investigação a todas as áreas de funcionamento da IES.

3) Avaliar e reavaliar a missão, os objetivos e o PDI da FESCEMP para que estes traduzam a realidade da Instituição.

4) Avaliar e reavaliar os Projetos pedagógicos e as práticas de ensino, visando sua adequação às propostas e objetivos definidos, e à melhoria da qualidade dos mesmos.

5) Avaliar e reavaliar as atividades desenvolvidas nos Projetos de ensino, pesquisa e extensão.

6) Sensibilizar constantemente os diferentes segmentos: professores, funcionários e alunos, para a importância da avaliação como instrumento de melhoria da qualidade de ensino e como recurso a ser utilizado para prestar contas aos próprios alunos, seus pais, e para a sociedade.

7) Gerar informações que orientem as tomadas de decisão necessárias ao desenvolvimento institucional por meio de um processo democrático que conscientize os participantes, a comunidade acadêmica e a sociedade local do seu papel no processo.